sábado, fevereiro 25, 2006

O Aprendiz e o Sabichão

O aprendiz sabe pouco do tudo
Mas muito sobre o nada
Tem consciência do que lhe falta: saber
E, assim, compreende a extensão do muito a conhecer
Entende que, se alguém já viveu o que ele, aprendiz, pretende viver
Tem pelo menos algo a contar
E, se tem algo a contar, cabe escutar

Respeita o caminho à vista
Nele as pedras, as trilhas, os desertos e os oásis
Sem distinção
Sabe ouvir para um dia saber falar
Falar para um dia se fazer ouvir

O sabichão sabe pouco
Sobre o tudo e sobre o nada
Quando olha adiante vê um espelho
Que distorce o passado e esconde o porvir
Incapaz de distinguir entre o sábio e o tolo, entre o ser e o estar
Julga ser um
Quase sempre é seu oposto

Amarrados aos seus pés estão dois grandes pesos:
a pretensão e a vaidade
Quando tenta ascender, não o deixam chegar
Finge não ouvir para não ter que falar
Finge falar para não precisar ouvir

2 comentários:

Juliana Protti disse...

Que lindo esse texto!
Quem dera um dia eu escrevesse palavras tão lindas!

beijos Nã...

Flavio Ferrari disse...

Para o leigo, uma montanha é uma montanha.
Para um iniciado, a montanha é uma manifestação de Deus.
Para o mestre, uma montanha é uma montanha.

A dura trilha de um aprendiz leva ao ponto de partida: só sei que nada sei !