quinta-feira, abril 19, 2007

Os nostálgicos - Parte III


Inspirada por comentários recentes neste blog (parte I) e no Centauro (parte II), transcrevo texto do Veríssimo sobre coisas que foram e não são mais.

E tudo mudou...
O rouge virou blush
O pó-de-arroz virou pó-compacto
O brilho virou gloss
O rímel virou máscara incolor
A Lycra virou stretch
Anabela virou plataforma
O corpete virou porta-seios
Que virou sutiã
Que virou lib
Que virou silicone
A peruca virou aplique, interlace, megahair, alongamento
A escova virou chapinha
"Problemas de moça" viraram TPM
Confeti virou MM
A crise de nervos virou estresse
A chita virou viscose
A purpurina virou gliter
A brilhantina virou mousse
Os halteres viraram bomba
A ergométrica virou spinning
A tanga virou fio dental
E o fio dental virou anti-séptico bucal
Ninguém mais vê...
Ping-Pong virou Bubaloo
O à-la-carte virou self-service
A tristeza, depressão
O espaguete virou Miojo pronto
A paquera virou pegação
A gafieira virou dança de salão
O que era praça virou shopping
A areia virou ringue
A caneta virou teclado
O long play virou CD
A fita de vídeo é DVD
O CD já é MP3
É um filho onde éramos seis
O álbum de fotos agora é mostrado por e-mail
O namoro agora é virtual
A cantada virou torpedo
E do "não" não se tem medo
O break virou street
O samba, pagode
O carnaval de rua virou Sapucaí
O folclore brasileiro, halloween
O piano agora é teclado, também
O forró de sanfona ficou eletrônico
Fortificante não é mais Biotônico
Bicicleta virou Bike
Polícia e ladrão virou counter strike
Folhetins são novelas de TV
Fauna e flora a desaparecer
Lobato virou Paulo Coelho
Caetano virou um chato
Chico sumiu da FM e TV
Baby se converteu
RPM desapareceu
Elis ressuscitou em Maria Rita?
Gal virou fênix
Raul e Renato,
Cássia e Cazuza,
Lennon e Elvis,
Todos anjos
Agora só tocam lira...
A AIDS virou gripe
A bala antes encontrada agora é perdida
A violência está coisa maldita!
A maconha é calmante
O professor é agora o facilitador
As lições já não importam mais
A guerra superou a paz
E a sociedade ficou incapaz...
.... De tudo.
Inclusive de notar essas diferenças.
(Luiz Fernando Veríssimo)

26 comentários:

Anne M. Moor disse...

Wowwwwww Amanda!! Várias dessas eu já não me lembrava mais!!!! Na realidade, ao longo dos últimos 50 anos houve mudanças imensas em tudo - algumas pra melhor, outras pra pior...

Ernesto Dias Jr. disse...

E todo mundo da época viou "tio" e "tia"...

Walmir Lima disse...

E a linguagem do MSN é o que, então? Creio que é um 'Novo Dialeto' que nasceu apenas para esconder a degradação da nossa cultura e da nossa língua.
Ora, genial mesmo é esse texto do Veríssimo. O resto é conversa.

Udi disse...

Que lindo Amandita! Como já disse outras vezes por aqui, é extremamente gratificante, prá esta "tia", frequentar um blog de uma garota com quem podemos compartilhar de valores e idéias.
Melhor ainda é poder ser nostálgico na companhia de tios e tias de altíssimo astral: só humor e alegria!
beijo e beijo

Anne M. Moor disse...

O tempo pode se tornar um peso a maneira que os anos avançam, mas há tesouros nesse peso; barras de ouro de experiência, jóias preciosas de lembranças, tecidos belos de compreensão e pérolas de nostalgia gostosa.

Maria disse...

Caro Veríssimo
e longe virou perto
e monitor virou janela
e tempo perdeu ponteiros
e desta janela construo um universo maior do que podia imaginar para mim.

Flavio Ferrari disse...

Estou com a Maria, que sonha e voa, e com a Anne, que vive vida...
Tenho saudades doces do que já vivi.
Alguma tristeza pelo que não viverei.
Mas muita vontade de viver.
Tudo muda sempre.
E nada muda mais do que aquilo que permanece.
Somos mutantes em busca da vida plena.
As coisas que mudam são apenas "coisas".
Não são importantes para nada.

Anne M. Moor disse...

Flávio: a vida foi inventada pra ser vivida e cada vez que ela te derruba no chão, tem uma mão que te ergue e te afaga ao mesmo tempo. Todos precisamos de afago e de uma mão pra segurar. Nunca é tarde para começar ou recomeçar a viver... Um dia eu conto com qtos anos eu renasci...

Ernesto Dias Jr. disse...

Fontol. Lembrei do Fontol!!

Walmir Lima disse...

Já que é pra lembrar e falar de coisas velhas e em desuso, que tal: Walmir e Ernesto?
(...Ôpa...o Ernesto não se encaixa em, pelo menos, uma delas...)

Maria disse...

Viver...Viver muito. Deixar-se enrolar na vida sem medo e com astúcia e para as horas mais complicadas....
Me lembrei de outra:
Pilulas de vida do Dr. Ross
Isso está virando um identificador de idades...
hahahaha!!!!

Anne M. Moor disse...

E quem é velho aqui?????????? Podem pará, se velho é o que somos, VIVA a velhice!!

Amanda Arthur disse...

Aos jovens senhores que comentam este Sarau, velhice é algo que passa muito, muito longe de todos.
Gostei da brincaderia!
Conheci várias coisinhas "novas".

Luisa Fernanda disse...

Amandita muy bueno, simplificación al absurdo me parece que es lo que pasa, lo importante es que hay cosas que no cambian, como la emoción de contemplar una noche clara de luna llena, o el recibir una flor...la gracia es encontar en esta época, tiempo y bun espacio para la contemplación, cosas que supuestamente la tecnología debería de ayudar....

Udi disse...

Lindo, Luisita! Luzes y contemplacion.

LU. disse...

O melhor da vida,é o caráter dinâmico e mutante que nos impulsiona e faz crescer.Esse é o grande aprendizado,e isso percebendo,é mais fácil nos adequarmos ao que vem a nosso encontro ,com um valente abraço e não com um sonoro e dolorido tombo.
Nas minhas reflexoes a esse respeito, sempre acabo pensando que devemos mesmo desenvolver atitudes que resultem em gostar da vida, vivê-la em toda sua plenitude e grandeza.

Walmir Lima disse...

Amanda: lograste un importante hecho al traer, de vuelta, la presencia de Luisa Fernanda en nuestra blogosfera.

Luisa: Que bueno, volviste! No te ausentes mas!

Ernesto Dias Jr. disse...

As rosas desabrocham
Com a luz do sol
E a beleza das mulheres
Com o creme Rugooooooool
Creme Rugol
Creme Rugggggggggggooooooooooolll
Com o Creme Rugool

e tinha também aquela outra:

Um, dois,
Um, dois
Com Regulador Xavier
Um, dois
Vive melhor a mulheeer.

Ernesto Dias Jr. disse...

É... 24 horas depois, e ninguém fala nada. Não querem se comprometer. Fui longe demais no tempo, meninas?

Udi disse...

noooossa! quando li ontem, não me ocorreu, mas agora veio totalmente a melodia do Regulador Xavier, com aquele coro de vozes femininas! E nunca havia me ocorrido perguntar o que seria o tal "regulador"... primeiro pensei em um regulador intestinal, mas talvez fosse para regular o ciclo menstrual... alguém sabe?

Anne M. Moor disse...

Esse não é do meu tempo :P hahahahahahaha

Ernesto Dias Jr. disse...

Anne:
Não moravas no Brasil à época, rsrs

Udi:
Duas versões de regulador: No.1 para atrasos, N0.2 para excesso. Se funcionava não sei. Naquele tempo ninguém falava disso abertamente. As caixas de Modess eram pré embrulhadas e colocadas sobre o balcão. Naturalmente ninguém sabia o que continham. Pelo menos EU não sabia...

Ernesto Dias Jr. disse...

É engraçado como hoje a gente recebe a ligação da mulher:
-- Benhê, traz absorvente pra mim?
-- Que modelo, querida?
-- Sempre livre médio, com gel, sem abas. SEM ABAS, viu?
E depois a gente grita pra mocinha da drogaria, com um pacotinho na mão:
-- Moça, não tem desse aqui sem aba não?

Udi disse...

Interessante analisar essa propaganda de uma época em que os pacotes de absorvente eram vendidos já embrulhados e deixados à disposição. No mínimo ousada e criativa já que passava a mensagem de forma sutil, atingindo apenas o target (as crianças não entendiam).
Amandita, você que é professora de estudantes de marketing: taí uma pros momentos "curiosidades da propaganda de meados do século passado" em suas aulas.

Udi disse...

Ernesto, uma historinha rápida de uns 20 anos atrás:
Minha mãe (que chegou a comprar Modess em pacotes pré-embrulhados) estava com meu filho (então com uns 5 anos) no supermercado quando ele aparece na frente dela com um pacote de absorventes: "Batian, não vai levar fraldinha prá mamãe?"

Amanda Arthur disse...

Figura seu filho, Udi! Adorei!