domingo, julho 13, 2008

O menino e a guerra



Estava lá no quarto da minhã irmã dando sopa. Resolvi sequestrá-lo. Devorei-o nas madrugadas. Um pouco à lá "A Vida é Bela", romântico, inocente, despretencioso, fui descobrindo "The Boy in the Striped Pajamas", John Boyne. Narração sob a ótica de um pequeno menino de 9 anos, alemão, filho de um comandante do exército nazista. Com a família, o garoto é levado a viver junto aos comandos de um campo de concentração e lá tenta entender o que acontece à sua volta. De forma sutil e doce, nos faz refletir sobre a segunda grande guerra, sobre guerras de então e de agora, sobre suas motivações. Estas certamente pequenas, diminutas, quase invisíveis. Para quem gosta do tema e de praticar o inglês com um vocabulário bastante simples (e antes que vire filme!), recomendo.

10 comentários:

Flavio Ferrari disse...

É ... ser mãe muda o padrão de leitura.
Beijo

Udi disse...

Tá anotado!
Bom ter você de volta com suas dicas passadas de forma tão agradável de ler.
(queremos mais!)
beijo

Ernesto Dias Jr. disse...

oops! vou procurar. Será que tem por aqui?

joão disse...

Estou com este livro ha meses na cabeceira. Nem abri. Depois de seu incentivo, vou começar a ler. Mas não faz chorar, não, né? Porque já gastei todas as minhas lágrimas com A menina que roubava livros e O apanhador de pipas.
Em tempo, a ediçao em Português é de 2007, da Cia. das Letras e se chama O menino do pijama listrado.

Raquel Neves de Mello disse...

Ops! O comentário acima saiu por engano com o login do meu filho. Quem me dera ele lesse algo mais que mangá e Calvin.

Amanda Arthur disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amanda Arthur disse...

Não só o padrão de leitura mas muitos outros padrões, Flávio!

Também estou felicíssima de estar de volta, Udi, querida! Meio na correria, mas está valendo.

Ernesto, temos sim e o título é a tradução literal.

Raquel, seja sempre bem-vinda! Eu mais sorri que chorei, essa é a verdade. É um livro doce! E sobre os mangás e o Calvin do seu filhote, certamente são um ótimo começo...

Walmir Lima disse...

Oi, Amandita

Grato pela dica. Pena que só percebi depois que voltei ao trabalho (e à superfície).

Vou ter que arranjar tempo pra ler, mas, pela tua indicação, vai valer a pena.

Um beijo

Udi disse...

Amandita! Sumiu de novo? ok! take your time, vida de mãe é assim mesmo. Só passei prá te deixar um beijo extensivo à família.

Luiz Modesto disse...

Cadê você, querida?